Unpacking the Gender System (Carteirada Academicista)

Publicado: 13 de junho de 2016 em Sem categoria

“Desempacotando o Sistema de Gênero”.

Recentemente, uma moça me deu carteirada acadêmica por pura afromisoginia, pois ela achou um absurdo, uma prepotência da minha parte, eu ter idealizado e estar encabeçando o movimento Negralista pois eu não tenho formação em Humanas nem Sociais. Se você também pensa como a moça, a ignorância alheia não é culpa minha. Esperemos a síndrome de Tupiniquim pisou na Academia passar, às custas de muita, mas muita leitura.

Mas a moça me acusou de estar inventando coisas, não ter base e nem fundamento, especificamente, segundo a discussão permitiu identificar, na minha contraposição à dela de que apenas uma escola de gênero existe – A DELA. E que tal escola era o consenso e a voz do feminismo.

Esta crença de que o feminismo é composto de uma única escola e de um consenso sobre gênero é estratégico para alienar moças novatas no feminismo, pois elas só têm acesso a um leque fechado e enviesado de leituras, morrendo na crença de que teóricas feministas que deram suporte àquela ideologia vendida como libertária e fruto da “Revolução Feminista”.

A moça achou que eu sou otária e desinformada, só porque sou negra e vim da favela. Deve ser inconcebível mais ainda eu dominar o inglês (o idioma que mais utilizo para fazer pesquisas e leituras) e tenho um francês básico. E eu repudio ter que me prestar a esse papel de ficar sumarizando minha capacitação porque nada disso justifica meu intelecto. Sou superdotada desde criança. Isso meu círculo social está cansado de saber. Então, a academia tem servido muito mais para corroborar minha visão de mundo,

ESTA

do que para me ensinar algo.

Pois são brancos e machos. E eles não me ensinam nada. Me poluem com desinformação e adulteração dos fatos.

Eu vou deixar aqui um trecho de um livro de Gênero que me ajudou muito no meu trabalho acadêmico que trabalha o tema Gênero e Física, pois tive que me desdobrar em leituras para desmistificar o desserviço misógino de que existe cérebro de homem e cérebro de mulher. Que mulheres são mais irracionais, emotivas e “multitarefas” do que homens por inerência biológica.

Eu só advirto: Cuidado. Muito cuidado com o que já te oferecem pronto nesse movimento duplamente colonizado chamado feminismo. Eu não sou feminista, eu odeio a práxis feminista, eu sou crítica de todos os feminismos, basta ler esse blog e conferir. Mas eu sou mulher, negra, ou seja, o machismo me afeta mais do que afeta às feministas (que são brancas), e critico elas por serem fracas, liberais, racistas, consumistas e desonestas.

Há mais de uma escola de Gênero. E uma delas é a que os homens mais odeia. Neste texto selecionado, a escola que instrumentalizo para dar suporte ao meu precioso trabalho acadêmico (eu cito todas as escolas) é muito bem representada. Então, em homenagem à moça que ficou repetindo que minha visão de Gênero não existe, é coisa inventada por uma favelada prepotente ignorante, pois a mesma nunca ouviu falar durante o semestre de uma matéria de Gênero que ela puxou na faculdade de Humanas, deixo aqui o que poderia-se ser encontrado facilmente no Google, por cidadãos brasileiros com acesso à academia. Eu uppei na minha nuvem por receio de se perder.

UNPACKING THE GENDER SYSTEM: A Theoretical Perspective on Gender Belief’s and Social Relations, by Cecilia Ridgeway and Shelley Correll

1r

“Há um crescente consenso entre AS escolAS de gênero de que gênero NÃO É primariamente uma identidade ou papel que é ensinado na infância e enacted em relações familiares. Ao invés disso, gênero é UM SISTEMA INSTITUCIONALIZADO DE PRÁTICAS SOCIAIS PARA MOLDAR PESSOAS EM DUAS CATEGORIAS SIGNIFICANTEMENTE DISTINTAS, HOMENS E MULHERES, e organizar relações sociais de desigualdade baseada nesta diferença.” – Traduzido por mim que não sou tradutora e nunca coloquei os pés num curso de inglês por motivos de MISÉRIA.

Desculpem estar fazendo um papel patético, mas a sociedade (somatório de indivíduos) que é patética, e às vezes temos que lançar mão da pateticidade para fins didáticos.

Leia esse curto trecho de 15 páginas, conheça essa escola de gênero que os homens odeiam, e tire você mesma suas conclusões a partir de leituras diversas. O intelecto é seu, eu não estou aqui para te ensinar a pensar com coesão e coerência. E nem para traduzir o texto. Não é culpa minha se o texto não está traduzido e nem se você não lê inglês. Não tive privilégios nenhum. Apenas sou egocêntrica demais para esperar as coisas caírem do céu.

Vou deixar também o link dessa pasta onde tento guardar arquivos dessa escola de gênero. A escola Queer você encontra amplamente nos grupos de facebook, não é difícil e provavelmente você já tem acesso a ela.

https://drive.google.com/drive/u/0/folders/0B97hgHqRU2hxM21MQy1SUlJaT3M

Até o próximo post e evitem encher a porra do meu saco com a crença de que sou otária porque os otários são vocês. Por isso que eu mesma vazo e não interajo.

 

 

 

 

comentários
  1. FR disse:

    Melhor blog de toda internet. Mulher, você é inteligente pra caralho, mas obviamente você já sabe disso. Um grande beijo de uma leitora viciada.

    Curtir

Obrigada pelo seu feedback, ele que faz o blog seguir. :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s